A evolução

Diariamente, eu e meus colegas Odontoblogistas nos deparamos com a mesma pergunta:

_ Dra: Pq antigamente a gente ia no dentista e pedia pra “arrancar” o dente ele arrancava sem titubear???

Vou colocar aqui a resposta que dou, e vejam, é apenas a minha visão.

Num passado não tão distante assim, a formação profissional era muito diferente.

Os cursos de Odontologia eram em menor numero e concentrados nos grandes centros.

Formado, o Dentista se embrenhava na profissão.  Sua base de pesquisa eram os livros guardados da Graduação.

Quando me formei era muito comum ouvir-se: _Meu dentista é muito bonzinho, mas não se atualizou!

Mas pense: Como se atualizar???

Os cursos não eram tão abundantes. As distâncias eram maiores. Colegas radicados em cidades pequenas do interior, mesmo tendo estudado em grandes centros, não mais voltavam. A ciranda da vida os engolia.

Ta certo, eles podiam comprar livros, mas onde? E o tempo pra ler? Nós mesmos hoje em dia, com o acesso facil, quase não o fazemos.

E então, o colega aprendia uma técnica nova no livro e… Cadê o material???

Novamente as distâncias!

Algum bom contato poderia facilitar, e em algumas semanas o material chegaria pelo correio. Nada de SEDEX10! Isso se estivesse a venda no Brasil.

Quem podia viajar, trazia na bagagem, além de informações VALIOSÍSSIMAS, algum material por debaixo do pano. As importações eram proibidas.

Lembro claramente da visita de um “vendedor” no consultorio que eu trabalhava. Ele vinha com uma maleta preta, tipo 007 e tinha um ar de:  Se quiser o preço é esse! Não sei qual era o seu fornecedor, mas ele tinha o PODER!!!

Então, aquele colega do inicio do texto, fazia o que podia.

Dentes alemães para prótese, eram sonho de consumo de muito edentulo, e poder tê-los era um luxo (mesmo que parecessem cascas de coco batendo ao mastigar)!

As opções de ligas para fundição eram poucas. Na endodontia a limpeza dos canais era feita na base da “FÉ”! Os instrumentos eram poucos e nada flexíveis. Era frequente as tentativas de salvar o dente apenas trocando o algodão com medicamento, uma vez por semana, durante meses, e depois se chegar a conclusão que só a exodontia resolveria a dor. Rx era luxo!

Nada de psicologia com crianças e pouco conhecimento sobre dentição decídua. Ranca que vem um bom no lugar (!)

Só pra ilustrar alguns casos.

Hj nós acessamos a internet e trocamos conhecimento com colegas do  outro lado do mundo em tempo real. Podemos comprar de tudo (desde que se tenha $$$).

Mesmo assim, a realidade para muitos brasileiros ainda é muito dura. Falei um pouco sobre isso aqui.

Hoje fazemos rizectomia, aumento de coroa clinica, apicectomia, entre outras manobras pra salvar o dente, e isso é louvável, mas não podemos crucificar o colega, que optou pela exodontia, sem antes analisar sua realidade.

Sem falar da realidade do paciente, que nem sempre tem recursos financeiros.

Sempre que me deparo com um caso assim, tento me transportar pra realidade do outro, e imaginar o que de melhor eu faria naquela situação.

E acreditem, muitas vezes eu não faria nada melhor!

Então, agora, faça uma breve oração de agradecimento, por cada uma das facilidades que temos atualmente.

Published in: on 28 de novembro de 2011 at 13:01  Comments (7)  
Tags: , , ,

Viva 25/10!!! (4* lugar no top5 da semana!)

Todo profissional deve ser reconhecido como tal.

O reconhecimento do seu publico alvo, acredito, seja o objetivo de todos.

Amanhã, 25/10, é o Dia do Dentista, e nós todos esperamos reconhecimento, parabéns e um presentinho, se não for pedir muito!!!

Mas hj, este blog, que fala das maravilhas de ser dentista, desde sempre, vai homenagear quem sofre pra praticar esta “nobre” profissão.

Os jornais e revistas semanais, pelo menos aqui em Sampa, já publicaram mensagens para a classe.

O radio o a TV também lembram a data a partir dos fabricantes e empresas do ramo odontológico.

A todos o meu muito obrigada!

Porém, a grande maioria dos spots reverencia o profissional que cuida do sorriso, o que é a verdade, mas eu gosto mais de ser lembrada como quem cuida da saúde da boca e dos dentes. Do poder mastigar, digerir, absorver nutrientes, se alimentar.

Hoje, especialmente, eu quero parabenizar, aqueles colegas que praticam a profissão em precárias condições. E isso não somente falando de instalações físicas.

Todos nós, com pequenas variações, aprendemos a odontologia igualmente.

Ergonomia, Biossegurança, Endodontia, Dentistica, Prótese, etc.

Saimos da faculdade com o ideal de salvar o mundo das cáries, evitar extrações, fazer uma prótese passo a passo, sem pular nenhuma fase.

A grande maioria dos meus colegas, felizmente, põe isso tudo em prática, diariamente. Mas tem quem não o consiga.

Imagine, se puder, o que é tentar fazer tudo o que você aprendeu, numa população, que leva dois dias rio acima, de barco, em época de cheia, pra chegar ao dentista mais próximo, na cidade de Boca do Acre/AC.

Alguém, realmente acredita, que o colega lá instalado, por mais boa vontade que tenha, possa colocar um curativo num molar com exudato e pedir pra o paciente retornar em dois dias??? O cara levou dois só pra chegar.

Pelas dificuldades, o paciente já deixa a dor ser muito alta, assim ele vai até lá e já extrai de uma vez. Volta com o problema resolvido.

Como saber qual droga anestésica é melhor para o caso, se na anamnese o paciente não tem a menor idéia do que é diabetes?

Como evitar que o paciente faça esforço físico pós cirurgia se o cara trabalha na roça?

A região de que falo, tem somente um posto de saúde, sem luz elétrica, apenas com um gerador. O médico não é fixo. Tem enfermeiros e olhe lá! Se tiver alveolite não dá pra viajar dois dias novamente.

Acredito que este seja um extremo, mas sabemos que a realidade é dura.

Admiro os colegas que fazem parte destes projetos que atendem populações ribeirinhas, em barcos escola. Dias e dias longe da família se dedicando ao próximo (não tão próximo assim).

Tem também aqueles que trabalham em cidades pequenas, longe dos grandes centros, sem recursos, nos postos de saúde, tentando fazer algo com o pouco que tem.

As vezes, são os únicos profissionais num raio de km. Atendem várias cidades.

Não deve ser fácil compra material. Quantos km fica a dental mais próxima? Tem articaína e prilocaina a pronta entrega? Qual a assistência técnica autorizada mais próxima? Quem conserta o Rx quando o temporizador resolve pifar? E se queima a lâmpada do refletor? E se a estufa/autoclave queima?

A internet facilitou a vida de muitos, mas ainda temos locais sem acesso.

Então hoje eu quero cumprimentar todos os colegas, desde o que faz snap-on-smile, metal free, microscopia operatótia, implante zigomático, etc, mas principalmente, render minhas homenagens aos colegas, que com todas as dificuldades, tentam fazer aquilo para o que estudou a vida toda: Cuidar da saúde oral e do sorriso.

Que sua dedicação seja recompensada diariamente. E eu nem to falando de $$$.

Published in: on 24 de outubro de 2011 at 09:00  Comments (3)  
Tags: , , ,