Patologia

Quando se entra numa faculdade de Odontologia, salvo algumas exceções, os estudantes acreditam que vão apenas estudar os dentes e suas doenças. Ledo engano!

O foco central é o sistema Estomatognático, ou seja, todas as estruturas envolvidas no processo da mastigação, deglutição, digestão, alem da fonação , respiração etc.

Cada função, para ser executada depende direta ou indiretamente da outra.

E quando não está tudo ok???

Doença sistemicas, más formações, heranças genéticas, as coisas nem sempre estão em harmonia. Temos então na faculdade uma cadeira que trata desses disturbios.

No meu tempo essa cadeira chamava Semiologia e Patologia.

Pacoccideóideomicose, miíase, amelogênese imperfeita, síndrome de Jögren,  carcinoma epidermóide, parotidite, ameloblastoma, etc para falar de algumas alterações .

Foi nessa cadeira que tomamos o primeiro contato com os pacientes.

Ainda hoje lembro o quanto non sense era essa clínica.

Na real,  era muito chato!!!

Nós esperávamos pelo contato com o paciente há meses. Fomos para nossa primeira clinica.

Todos de branco. Sapatos, calças, camisas ou blusas que davam um ar imponente. Na grande maioria era tudo novo, e por isso limpinho.  Alguns desses sapatos foram a todas as clinicas e, imagine se puder, o estado deles ao final do quinto ano 🙂

Luvas, máscaras (nesse tempo não usávamos touca), um espelho, uma espátula de madeira e uma ficha de anamnese beeeeemmmmm detalhada.

Dados pessoais preenchidos, passávamos as perguntas de saúde, e aí, começavam os problemas.

Algumas respostas eram, digamos, inverdades.

Quantas vezes por dia o Sr. escova os dentes?

>Sempre que como (então o Sr come pouco pq escova pouco os dentes, heim?), ou 3x dia (seu dia tem quantas horas?)

Fuma?

>Um pouco. (Ã-hã!)

Há quanto tempo não vai ao dentista?

> Um ano. (Um ano luz!!!)

Com quanto tempo troca sua escova de dentes?

>Mais ou menos a cada 6 meses (a cada 6 janeiros, né!)

Mas o pior era a anamnese semiológica. Nem sempre o paciente entendia o que nós estávamos perguntando, e claro, nós também nem sempre sabíamos o que estávamos perguntando :/

As vezes tínhamos certeza que a resposta estava incorreta. Dizer que não tinham hipertensão, diabetes, cardiopatias, aterosclerose e etc., e terem,  não era necessariamente mentira, eles apenas desconheciam.

O exame intra/extra oral era outra odisseia. Analisar simetria facial não é nada fácil.

Cor e textura dos tecidos. Motilidade lingual. Numero e posição dos dentes. Uso de próteses. Hábitos parafuncionais.

A saída do ducto parotídeo era frequentemente confundido com uma lesão.

Esse foi o nosso primeiro contato com o paciente.

Nessa cadeira aprendemos a ver o paciente como um todo. Como as disfunções, ainda que a distância, influem no equilibrio do sistema. Manifestações orais de doenças sistemicas e o comprometimento da saúde geral por disturbios bucais.

Foi nessa aula também que aprendemos, ou tentamos, auferir a PA dos pacientes. E nada de aparelho digital que o Sidney vende na Ultrafarma. Era na base de auscultar com estetoscópio e esfigmomanômetro os ruídos produzidos pela sistólica e diastólica. Demorávamos tanto que frequentemente os pacientes sentiam dormência na mão 😦

É, tratar de dentes ainda estava longe do nosso dia a dia.

Anúncios
Published in: on 24 de maio de 2012 at 15:42  Comments (3)  

The URI to TrackBack this entry is: https://odontostalgia.wordpress.com/2012/05/24/patologia/trackback/

RSS feed for comments on this post.

3 ComentáriosDeixe um comentário

  1. Bah! Ainda bem que na minha faculdade (URI-Erechim) as coisas funcionam de forma bem diferente. Não usamos branco, usamos uma roupa especial para a clínica, aqui a cor é azul e NUNCA saímos, fora da clínica, com ela.

  2. Parabéns, mais uma vez. Estou terminando a clínica de semiologia e diagnóstico e ao ler tua postagem vejo o quão importante foi esperar tanto para começar a clínica, logo que já tínhamos um certo contato com a maioria das patologias e com a ficha de anamnese, além dos exames nas aulas extra muro de prevenção de câncer, Mas nossa, nas primeiras aulas como eu me sujava com a posta profilática, confundia tártaro com cárie (Um amigo disse que eu iria sentir vergonha disso depois, nem imaginava que seria tão pouco tempo depois, hahaha), mas acho que o mais importante dessa clínica é saber como conseguir a intimidade profissional com o paciente, a se conhecer como profissional e também para ter a sua primeira grande briga na faculdade, com a sua dupla. Sentir nostalgia antes de terminar a clínica ta liberado? kkkkk

  3. […] Esse post é perfeito pra você entender de uma vez por todas que dentista não cuida só de dentes…  –> Odontostalgia […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: